Comissão presidida por Romário (E) também deverá questionar ministro sobre diretrizes da pasta Roque de Sá/Agência Senado

A extinção do Programa Mais Médicos deverá ser explicada pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em audiência pública da Comissão de Assuntos Sociais (CAS). O senador Rogério Carvalho (PT-SE) é autor de requerimento nesse sentido, aprovado pela comissão nesta quarta-feira (13).

Na justificação do requerimento, o senador lembra que o governo federal anunciou o encerramento do Mais Médicos e sua substituição por outro programa. Ele cita informações dadas pela secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do ministério, Mayra Pinheiro, confirmando que não serão feitos novos editais após a última seleção. De qualquer modo, os médicos em atuação poderão continuar em seus postos de trabalho pelos três anos de duração do contrato.

O Mais Médicos foi criado em 2013 pela então presidente da República Dilma Rousseff. Rogério Carvalho assinalou no requerimento a avaliação positiva por parte da população. “Pesquisa da UFMG/Ipespe identificou que 95% dos usuários disseram estar satisfeitos ou muito satisfeitos com a atuação do médico do Mais Médicos. Entre as razões dessa avaliação positiva, 85% afirmaram que a qualidade do atendimento melhorou; 87%, que o médico é mais atencioso; e 82%, que a consulta agora resolve melhor seus problemas de saúde”, observou o parlamentar.

Patrocinadores Ameex:

A data da audiência pública ainda será agendada pela CAS. Na ocasião, o ministro também deverá abordar o modelo de atuação complementar da União para a atenção básica em serviços de saúde.

Diretrizes
Luiz Henrique Mandetta também deverá ser convidado pela CAS para prestar informações sobre a política e diretrizes do Ministério da Saúde para os próximos anos.

O requerimento para o convite foi apresentado pelo presidente do colegiado, o senador Romário (Pode-RJ), e também foi aprovado nesta quarta. A data da audiência será marcada de acordo com a disponibilidade de agenda do ministro.

Fonte: AgenciaSenado