Audiência pública aconteceu na Câmara Municipal de João Pessoa. Foto: Reprodução/TV Manaíra

Segundo o vereador Milanez Neto, a saída deve trazer prejuízo à população que depende do Sistema Único de Saúde (SUS) em 67 bairros

Desde que foi anunciada a decisão do Ministério da Saúde de não renovar os contratos com os médicos que trabalham em municípios de regiões metropolitanas do país, isso vem dando o que falar. A determinação publicada no dia 27 de fevereiro no Diário Oficial da União tem como objetivo dar maior assistência aos locais com maior vulnerabilidade.

João Pessoa entrou na lista dos municípios que ficarão de fora desta renovação contratual e só na capital 48 profissionais que trabalham no programa terão até o fim do mês para deixar suas funções. Insatisfeito com a decisão do governo federal, o vereador de João Pessoa, Milanez Neto (PTB), convocou profissionais envolvidos e alguns vereadores para uma audiência pública na Câmara Municipal que aconteceu na terça-feira (19).

O parlamentar afirmou que não irá se calar diante da medida. “Não posso ser conivente com uma decisão irresponsável sem conhecer a realidade de cada município”, declarou. Segundo ele, a saída de médicos do programa deve trazer prejuízo à população que depende do Sistema Único de Saúde (SUS) nos 67 bairros da grande João Pessoa.

O vereador Marcos Henriques destacou a importância do programa para o país e as cidades brasileiras. “O fim do programa Mais Médicos também é o fim de outros programas de grande impacto social, como o de segurança alimentar e o de moradia, por conta de uma política excludente”, lamentou.

A secretária adjunta de Saúde do município, Ana Giovanna Medeiros, também esteve presente na sessão e demonstrou preocupação com a saída dos médicos. “Com a saída dos médicos teremos uma dificuldade de contratação, entendendo que tem profissionais que não vão para áreas de periferia”.

Na tentativa de que a decisão seja reavaliada, o líder da situação na Câmara deve solicitar uma nova audiência, desta vez em Brasília, onde deve se reunir com representantes do Ministério da Saúde.

Fonte:OP9